domingo, 17 de agosto de 2014


SONETO DO AMOR IMPERFEITO

Não quero mais buscar o amor perfeito
pra camuflar o sentimento em chama
e amortecer o que me dói no peito,
a mesma dor de todo ser que ama.

Que amar assim, eu sei, não é direito,
pois todo peito preso nesta trama
adoecido faz do olhar um leito
pra adormecer a fonte deste drama.

Vou procurar amar só o instante
um amor maior, porém um passageiro
tão transeunte quanto o amante

que tenha amores pelo mundo inteiro
e ao invés da dor o peito sempre cante
o imperfeito amor que é o verdadeiro.

Paulo Franco

1º LUGAR - Concurso Diário do Litoral
1º LUGAR - PRÊMIO LICINHO CAMPOS DE POESIAS DE AMOR
GRUPO DE POETAS LIVRES - REVISTA VENTOS DO SUL

Nenhum comentário:

Postar um comentário