quarta-feira, 15 de junho de 2011

SONETO DO AMOR DESFEITO

O imperfeito amor que avassala
de infinito o coração em chama
e causa dor e embaraça a fala
atormentando o peito de quem ama

é o mesmo amor que a criança embala
quando recria num brinquedo um drama
ou o amor que o tirano cala
pra iludir e por a terra em chama.

É, com certeza, o sentir mais forte
que pode haver pra embriagar o peito,
pois gera vida e depois a morte

já que depois se torna rarefeito
e o sentimento que era a grande sorte
vira um vazio coração desfeito.

                                                Paulo Franco


                 CONCURSO NACIONAL DE POESIA CASSIANO NUNES - 2009
                 BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA/DF
                 MENÇÃO HONROSA E PUBLICAÇÃO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário