segunda-feira, 20 de junho de 2011

       O RUIR DAS HORAS


Na lembrança, qual um palco imaginário,
o cenário de coisas que vivi,
algumas pessoas, cães, carinhos que não foram percebidos
por entre as metáforas  não entendidas
enquanto a vida era apenas uma ordem.

Na desordem da natureza do tempo que nos deteriora, 
perdemo-nos um pouco a cada instante
e ainda à caça da felicidade para um futuro distante
sem vermos que não vemos nem mesmo o momento seguinte.

A casa a ruir abriga-nos dos sonhos que detemos
em cada quarto que nos prende
a rende-nos às nossas verdades e imaginários
e em cada um a quarta parede cai
desvendando um cenário de expectativas
desperdiçadas no que não sentimos no agora
que se esvai
como se fosse a lembrança
daquilo que jamais existiu.


                                                               Paulo Franco  

              SEXTO CONCURSO ON-LINE DE POESIA - JUNHO/2011
              GRUPO DE POETAS LIVRES - REVISTA VENTOS DO SUL

              FLORIANÓPOLIS/SC              
              MENÇÃO HONROSA 

6 comentários:

  1. Professor Paulo e um daqueles talentos que consegue nos conduzir a maravilhosos mundos em cada palavra que escreve. Um Escritor nato. Parabens, Poeta, e obrigado por presentear-nos com obras maravilhosas - o Ruir das Horas, entre elas.
    Abracos fraternos.
    Edweine Loureiro

    ResponderExcluir
  2. Edweine, obrigado pelo carinho. As suas palavras aos meus poemas me encantam. É uma honra.

    ResponderExcluir
  3. Essa sua poesia é lindíssima.
    Me encontro exatamente assim, num palco e na platéia de um teatro, em que cuja Peça me desvenda o passado que ainda me prende de viver feliz o meu presente e desfrutar as lembranças do meu passado sem paredes e com muitos sonhos.

    Bjs, Paulo Franco!

    ResponderExcluir
  4. O que falar do poeta maior Paulo Franco?
    Que tive a grande honra de conhecê-lo pessoalmente, ele e suas maravilhosas letras poéticas que tornam nosso mundo muiiiitooo melhor...
    Obrigado por partilhar tanta riqueza e maravilha...
    Abs
    geraldo

    ResponderExcluir
  5. Paulo, você é um poeta lírico em essência. Sua poesia tem esse olhar comprometido com a beleza das coisas, essa veia em consonância com a intensidade do sentir. Muito bom conjunto de poemas e, de todos, A PIPA foi o que me falou mais de perto. Parabéns pelas merecidas premiações. Sucesso cada vez maior. Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Cida,Geraldo e Sérgio, é uma grande honra tê-los em meu blog. Obrigado pelo carinho.

    ResponderExcluir